segunda-feira, 20 de junho de 2011

Estive em Paris e lembrei de você

Quem não viu, veja. Meia-noite em Paris, o mais recente Woody Allen, já é um dos filmes mais suculentos do ano. A enxurrada inicial de imagens da cidade (eu digo enxurrada mas é algo lento, mastigável, sem-pressamente francês) valeria a ida por si só, mas ainda estão lá: a gagueira do protagonista, a alegria de esbarrar com um Fitzgerald, um Hemingway ou um Picasso a cada esquina – e não falo aqui de suas obras –, a música de Cole Porter, a luz de Marion Cotillard, o casal republicano, o casal em crise, a festa com a Torre Eiffel ao fundo, o roteiro amanteigado, a suspensão total da descrença, a participação rinocerôntica de um Salvador Dalí (“Dalíííí!”) engolindo a cena na pele de Adrien Brody.... Não se sai senão satisfeito, tomado, embebido da capital francesa mas também de um olhar generoso sobre nossa própria moradia e época. Sai-se distribuindo je’taimes e ulalás.

Mas não vou repisar a tecla de que o filme mostra o quanto nos projetamos em outra era como se fosse o tempo ideal, a nossa Idade Ouro, em detrimento da fase histórica que nos foi dada (a felicidade “está sempre apenas onde a pomos,/ e nunca a pomos onde nós estamos”, diria Vicente de Carvalho). Está mais do que (bem) dito por todas as críticas, e o post de ontem não deixou de contemplar o assunto.

Quero, antes, mandar um beijo à personagem Gabrielle, um verdadeiro “J. Pinto Fernandes” no roteiro de Woody – aquela que, aparentemente, não tinha entrado na história. A discreta, tímida vendedora aparece pouco, mas bem. Não tanto por sua atuação, que nada tem de mirabolante, e sim pela delicadeza. A certa altura, a moça diz a Gil (papel de Owen Wilson), a quem só viu duas vezes como cliente, que se lembrou dele porque chegara à loja um novo disco de Cole Porter. O protagonista retruca que gostou de ser lembrado por esse motivo.

Quem não? Lembrados pelo que amamos, lembrados pelos pequenos interesses ou grandes paixões, lembrados pela aparência que temos por dentro – isso é o que todos esperamos ser, de preferência por quem supostamente não nos conhece, mas deu o passo mais certeiro neste sentido. Nem sempre teremos Paris como refúgio; porém, God allows, sempre teremos uma Gabrielle para nos hospedar gratuitamente na memória e compartilhar o gosto pela chuva. Bonne chance!

5 comentários:

Barbara Nonato disse...

Não assisti o filme, mas li a sinopse nesse final de semana e me interesse. É o tipo de filme que me prende, apesar de Woody Allen não fazer muito meu tipo de direção.
Vou tentar assistir.

Jacqueline disse...

Pela descrição iquei com vontade de assistir o filme.

Lucas Nuti disse...

Ai meu Deus, não acredito que vc escreveu sobre esse filme.
Estou louco de vontade de assistir!
A capa é maravilhosa.
_____________________________________
http://www.alteregodonuti.blogspot.com/

Karla Christiane disse...

Fernanda,
Vc foi ao meu blog e me aconselhou a tirar um pouco da prosa de meus textos...
Como faço isso???
Pq eu somente escrevo o q sinto e gostaria de aprender com vc!!!

Seguindo vc viu???

Bjo

Karla
echidellanima.blogspot.com

CAMILA DE ARAUJO disse...

Hm, esse filme tá dando o que falar.
Altas pessoas já me indicaram.

http://www.papel40kg.com/