sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Deficientes

Leio na reportagem que animais auxiliam no tratamento e educação de deficientes mentais. Soa estranho. Não o fato de se usarem animais em tratamentos – são remédios vivos, como a própria reportagem os qualifica –, mas o termo que se segue à informação. Deficientes mentais. Por definição, pessoas fisicamente impedidas de apresentar o mesmo grau de interação, julgamento, aprendizagem do dito “cérebro normal”. Loucos, autistas, gente com paralisia cerebral ou desoxigenada no parto. Uma exceção entre nós, em suma. Uma raridade.

Mentira.

Os que apelidamos “deficientes” são simplesmente incapacitados pelo acaso. Incapacitados para funções determinadas, aliás. Um paralítico cerebral que nunca tocará flauta transversa; so what? eu também não. Um portador (palavra horrível!) da síndrome de Down que não chegará a astrofísico – duvido que alguém lá em casa chegasse. Um autista sem meu traquejo social (que já não é grande coisa): pois conheço mais de um com o triplo da memória que jamais terei. A sermos honestos, somos todos deficientes. Uns que jamais cantarão afinado, umas impossibilitadas de se equilibrar no salto, uns estúpidos em coordenação de cores, uns estafermos em matemática. Todos. A tal ponto todos que é mais fácil considerar: ninguém. Carregamos apenas diferentes eficiências.

Deficiente mental, no duro no duro, dessa maneira se escolhe – só há culpa onde há escolha. Os que têm perfeita noção do direito e decidem-se tortos. Os que receberam moral e resolvem-se bandidos. Os que ganharam educação e preferem-se vagabundos. Os que conhecem a lei e matam. Os que conhecem a prisão e voltam. Os que não conhecem fome e roubam. Os que testaram a gravidade e se atiram. Os que se apresentaram à morte e a paqueram. Os que se têm na mão e jogam-se fora.

Deficiente não o é por nascer ou tornar-se vidro. Deficiente é o que era ferro e se quebrou.

7 comentários:

Arte Grotesca disse...

acho errado o termo "deficiente", e pode ter certeza que há muitos desses "deficientes" mais capacitados que muitas pessoas por ae...

http://artegrotesca.blogspot.com

Sandro Batista disse...

É, da forma como colocado no texto (muito bom por sinal), a definição de deficiente realmente ganha um outro tom.. Mas também não gosto de termos que as pessoas usam para amenizar, e acaba tornando a coisa mais excluída ainda. Detesto por exemplo se referir a uma criança com Síndrome de Down com o termo "especial". Como assim "especial"? Eu também sou especial ué?? Aí é me segregar...Não gosto dessa coisa de "peninha", ou pior, aquela "peninha" coletiva, motivada pelo inconsciente coletivo, a que não vem de dentro. Apesar de não parecer, seu texto aborda um tema bem complexo, e acaba por tocar em questões de comportamento social, e claro, da hipocrisia da sociedade.

Um abraço

http://estacaoprimeiradosamba.blogspot.com/

felipe leon disse...

Todos temos uma certa deficiência ...

http://fleonandthecity.blogspot.com/

Wanderly Frota disse...

O ser humano, por si só tem deficiências. Ser diferente fisicamente não quer dizer que é menor que o outro. É importante sabermos respeitar e cuidar destes, como de qualquer outra pessoa.

kbritovb disse...

é um termo que já ta fixado na cultura popular e vai ser muito difícil de mudar
mesmo com a turma do politicamente correto
que pra mim são um bando de trouxa

Lillo Dogmez, o licantropo. disse...

EU TENHO UM OLHO DE VIDRO, SOU MANCO E GORDO. ENTÃO SOU DEFICIENTE TB.
ESSAS PESSOAS QUE GSTAM DE ROTULAR OS OUTROS, DEVERIAM SE OLHAR MAIS NO ESPELHO.

ellen anceski disse...

muito bom esse texto..

e-anceski.blogspot.com