domingo, 23 de outubro de 2011

Aquele olhar

“Mudanças fazem milagres por nossos olhos, e é no olhar que se percebe a tal juventude eterna. Um olhar opaco pode ser puxado e repuxado por um cirurgião a ponto de as rugas sumirem, só que continuará opaco, porque não existe plástica que resgate seu brilho. (...) Olhe-se no espelho. Você tem um olhar de quem estaria disposta a cometer loucuras? Tem que ter.”

O trecho é, obviamente, da autoria de Martha, na crônica “Os olhos da cara”. Terminei de ler e corri a dar uma checadinha no espelho. Será que meu olhar transborda todas as possibilidades às quais está aberto? Cintila o suficiente para denunciar que, apesar de quietinho, guarda um turbilhão de embates, uma procura ininterrupta, uma vida de projetos? Brilha o que tem de brilhar para mostrar que ali está ocupado, ali tem gente? Espiei e vou responder com certa condescendência: creio que ele passa no teste. Pode não ser olhar azul, verde ou mel, daqueles que quase nascem aprovados pela própria natureza, mas seu castanho-beirando-preto bem comunzinho dá pro gasto. A timidez me faz às vezes fechar as cortinas; quem examinar para além da timidez, no entanto, vai ver que ali dentro tem lareira acesa.

Precisamos ter olhar de fim de semana mesmo no embaçamento do dia útil. Ainda que no meio de relatórios e correções de prova, ter olhar de férias. Olhar de festa, fresco e buscante, dançante e convidativo, no decorrer da reunião. Olhar de loucura no decorrer da rotina. De loucura no bom sentido. Da loucura sã de continuar achando tudo muito interessante deste lado do mundo, sem que isso nos impeça de, no minuto seguinte, pegar avião para o outro, só com bagagem de mão. Da loucura sábia de enxergar beleza literária num jornal e de ser igualmente capazes de nos enfiar na Biblioteca Nacional, só para ver mais de perto aquele manuscrito da reportagem. Da loucura calculista de não perder o controle, mas de lhe dar um bocadinho mais de corda na coleira, para que fareje universos novos que estejam dando sopa.

Não falo de universos amorosos para quem está comprometido! falo do amor por universos que se abrem para os casados com a vida. Em algum âmbito, é urgente termos olhar de apaixonados eternos. Olhar de don-juans que flertam com o dia, seduzem o trabalho, paqueram o ambiente com fome generosa. Olhar não pode ser solteiro. Muito menos viúvo – de quem acredita já ter feito todo o Kama sutra com a vida e decidiu se aposentar do ato de se surpreender. Olhar saudavelmente louco se enamora todo dia, casa com festa e o escambau. Pega toda chance de contrair núpcias com uma viagem inesperada, uma rua desconhecida, um roteiro improvisado, um emprego impensado, um curso de mergulho que não estava nos planos, uma aula de piano que não estava no caminho, uma fluência em francês que não tinha entrado na história.

Viver é isso: não ser Napoleão nem César nem Gengis Khan, e ter um olhar doido o bastante para entrar na própria história.

6 comentários:

Blog UaiMeu! disse...

Tem uma frase que diz que os olhos são as portas da alma...

Eu acredito nisso!
Excelente post!


passa lá?
http://uaimeu10.blogspot.com/

dacyele disse...

ameiii o post os dizem tudo seguindo me siga tbm bjokasss
http://dicasdadacy.blogspot.com/

Cicero Edinaldo disse...

lindo post! os olhos revelam os nossos mais intimos segredos!
--------------
Gostaria de agradecer o comentário feito no meu blog - in: A fenix virtual - ele me emocionou muito!
obrigado mesmo, suas palavras foram como um balsamo para o inicio do meu dia! bjos, tchau.
blogestarcomvoce.blogspot.com

Aline Diedrich disse...

é preciso resgatar o herói que cada um tem dentro de si...

Maíra Cintra disse...

Adoro a Martha, a postagem está perfeita!
Parabéns pelo blog!
Beijo
mairacintra.blogspot.com

ANA K disse...

Adorei a tua forma de se expressar! PARABENS!!!

se puder vai em http://oicarolina.wordpress.com/2011/10/24/just-sixteen/#respond