sábado, 24 de setembro de 2011

Onde dói

Eu era viciada em Cavaleiros do Zodíaco. Lembro-me do episódio da saga em que um dos personagens principais tinha de derrotar um oponente invulnerável, espécie de Aquiles moderno. Mas Aquiles, todo mundo sabe, levava um calcanhar perfeitamente flechável. O adversário em questão estava ótimo do calcanhar, porém o cavaleiro bonzinho percebeu que, por um micromilionésimo de segundo, ele baixava a guarda e deixava o coração desprotegido ao aplicar seu golpe mais potente. Adivinha. O cavaleiro, claro, provocou o golpe e acertou o outro com precisão letal. Estropiou-se, mas venceu.

Recordei essa bobagem porque fico tendo provas de como adoramos descobrir e torturar o pontinho fraco. Ontem mesmo. Deixei o quadro todo escrito para a aula da tarde, perdi preciosa meia hora de intervalo para que a matéria já estivesse ali, bonitinha, quando os alunos chegassem. Economiza tempo de aula e facilita a tranquilidade, pois não precisamos ficar virados de costas para a turma (estudantes têm a estranha crença de que o professor perde a audição quando não está olhando). Muito bem. Ao subir com o pessoal do segundo turno, a decepção: metade do que eu escrevera tinha sido apagado. Just because. Simplesmente alguém – que talvez nem me conheça – resolveu fazer sua má ação do dia. Calculou quanto trabalho me daria recuperar a matéria destruída e provavelmente se divertiu exercitando maldade gratuita. Gratuita mas milimétrica. Como atingir eficazmente um professor? Pondo a perder o tempo de quem menos tem tempo, lógico. De quebra, fazendo parecer ainda mais ineficientes seus esforços de salvar alunos perdidos no apagar do ano. Tudo isso aliado à covardia de um ato sem rosto. O crime perfeito.

Por infelicidade, essa perversão nos frequenta. O coleguinha está de tênis novo? Bora pisar. A outra é megatímida por causa da gagueira? Valendo um milhão que vai ser rebatizada de Jujujuliana assim que responder à primeira chamada. Briga de casal, então, é pura lama no ventilador. Ela sabe que ele cometeu ingratidão contra os pais e nunca se perdoou por isso. Ou tem trauma de ser estéril. Ele sabe que ela não consegue cozinhar nem com cartilha e se sente a última das mulheres. Ou anda chorando pelos cantos por causa do aumento de peso. Na hora do vale-tudo verbal, adivinha quais assuntos virão à baila?

Prova de que nossas crueldades não se escondem só no capuz previsível da inveja, do preconceito, da má educação. Somos piores. Às vezes educados, instruídos, mimados com um relacionamento sem grandes intempéries. Não partimos só do que assumidamente não presta, partimos do que temos de bom para exercer nossas tiranias. Não pegamos só quem nos azucrina para reagir brutalmente (o que já seria lastimável), pegamos especialmente quem nos ama. Basta que tenhamos acordado no modo “Hitler”, que o calo tenha amanhecido doendo, que a resposta não seja ampla e imediata aos nossos caprichos chorões. Todos nós, os cruéis, somos gremlins. Uma gotinha faz a transição entre a fofurice e a fúria desembestada.

Quanto ao quadro apagado: não suei uma gota para averiguar quem tinha sido. Reescrevi a matéria oculta e fim de papo. Saiba o meliante que me ajudou a queimar umas caloriazinhas extras, além de – preciosidade das preciosidades – me render um bom assunto de post.

Titóóóóóóóóim.

6 comentários:

Casa do Baralho disse...

Legal, gostei do blog, do texto e até da imagem escolhida para esta postagem...

http://casa-do-baralho.blogspot.com/

Blog The Moda Girl disse...

Muito bom o texto! e a imagem já explica tudo sobre ele !

Ana Lucia Nicolau disse...

poxa, bem bacana mesmo o texto....
abs

Lillo Dogmez, o licantropo. disse...

REALMENTE A CRUELDADE HUMANA É TERRÍVEL. E OS ALUNOS PENSAM ASSIM MESMO QUE A GENTE É SURDO. QUANDO ESCUTO COMENTÁRIOS SÓRDIDOS, EU FALO "NÃO TOU VENDO VCS, MAS NÃO SOU SURDO NÃO! CUIDADO AE COM O QUE VCS FALAM!" E ESSE LANCE DO TENIS EU TB JÁ VI MUITO NAS ESCOLAS QUE DOU AULA. É A TREVA MERMO!

DEPOIS DE LER O COMENTÁRIO, PASSA LÁ:
http://thebigdogtales.blogspot.com/2011/09/o-jantar-do-jaguaru-texto-escrito-no.html

Ravi Barros disse...

Olá querida, que prazer reler o seu blog!
Ando meio sumida da rede... rsrs!

Bem, costumo dizer que não há nada de mais inescrupuloso e perverso do que o coração do ser humano, sabe?
Penso em tantas coisas que acontecem em nossa sociedade, tanta gente tirando a vida do outrp, e tantos tirando a felicidade e a oportunidade de sonhar!
A verdade é que a maldade faz bem para o ego da maioria esmagadora das pessoas... Triste, mas real!

Beijos e até logo;*

Elaine Bandeira disse...

Pois é... vida de professor não é fácil!

http://floresmaquiadas.blogspot.com/

bjo